-->

29 dezembro 2013

Falando sozinho: Recapitulação de 2013




Bom dia a todos. Quem fala aqui é o Kico7, o menos experiente e respeitado autor deste blog.

Primeiramente desejo um ótimo fim de anos a todos, espero que passem a virada do ano com pessoas especiais, vulgo amigos, parentes, etc.



Houveram muitos animes marcantes este ano, como Shigeki no Kyojin, mas este post diz respeito aos poucos que eu assisti, por isso, não esperem muito de minha pessoa. Afinal de contas, sou apenas um fan inexperiente. Tentarei nesta recapitulação citar a maioria dos animes que assisti e expressar o que cada um deles significou para mim.

Eu sou o autor deste blog conhecido (ou não) por ser fan de animes e mangás de romance. Sempre apreciei a maneira como este gênero é tão bem trabalhado em animes e mangás, afinal, a grande maioria deles possuem uma sensibilidade não vista em outras mídias. Algo que eu reparei nos primeiros animes do gênero que eu vi, é como eles valorizam pequenos detalhes que são deixados de lado em filmes e novelas, como por exemplo uma simples troca de olhares entre o casal. Posso estar errado ao dizer isso, mas são pequenos detalhes como esse que constroem o início de todo relacionamento e o fato de animes não os ignorarem é algo que me fez ser fan deles há 5 anos e continuar sendo este tempo todo sem arrependimentos.

É claro que minha lista de animes assistidos não se limita só a romances, eu tenho interesses por animes de ação (Railgun), drama, mecha (maioria por recomendação do Jeguy), etc. Por isso separarei esta recapitulação dos animes de 2014 em duas partes, primeiro os romances que vi, depois em outro post (ano que vem) os "outros". Meu objetivo é ressaltar o que eu vi de bom em cada um deles e concluir com um ou outro que foram meus favoritos.


Começando com os animes de romance:


Ore no Kanojo to osananajimi ga shuraba sugiru/Oreshura: 




Oreshura possui um título quase auto-explicativo, como eu sou incapaz de traduzi-lo apenas afirmarei que ele diz respeito ao fato da namorada e amiga de infância do mocinho estarem "batalhando" por ele.

(Tradução do título por Jeguy Hope: My Girlfriend and childhood friend fight too much)

Um anime com uma premissa um pouco diferente do comum, mas com uma execução clássica. Como assim?? A premissa diferente é o casal principal do anime, são dois jovens que odeiam romances e por necessidade acabaram fingindo um namoro. A execução clássica é a amiga de infância que entra no meio do casal e, por ter sentimentos genuínos pelo mocinho, tenta de tudo para separa-los. E ai se inicia o "campo de batalha" do título, mas a história não para por ai, com o passar do anime aparecem duas outras moças querendo namorar o protagonista, o que leva o anime para o caminho do harém.

Apesar de cair em muitos clichés batidos, as personagens são divertidas, principalmente Ai, a "outra amiga de infância", com seu hábito bizarro de correr pela rua toda vez que fica feliz. E não são somente os momentos engraçados que se destacam, eu citaria dois momentos marcantes:

Primeiro, o final do primeiro episódio com o início forçado do namoro, onde o mocinho imagina que a situação ficará feia assim que sua amiga de infância descobrir. E isso se mostra verdade, no momento em que a câmera mostra Chiwa (a amiga de infância) correndo rumo ao horizonte, passando perfeitamente a preocupação dela com a chocante notícia.

Segundo, a declaração de amor no último episódio. Como o anime é adaptado de uma light novel ainda em publicação, era de se esperar um final aberto. Mas o que eu não esperava é que ele terminaria exatamente com uma declaração tão sincera.


Boku Wa Tomodachi ga Sukunai - NEXT (Haganai-NEXT):




Para a alegria dos fans da primeira temporada, o clube da vizinhança (nome do clube do anime) voltou, com o excêntrico grupo de indivíduos sem amigos e suas muitas novas "aventuras" tentando aprender a serem mais amigáveis.

Se a primeira temporada me agradou pelo ótimo desenvolvimento do triângulo amoroso Sena x Kodaka x Yozora, a segunda foi justamente por ter desenvolvido certas personagens secundárias. A pervertida e cientista do grupo, Rika, recebeu um grande destaque nessa temporada mostrando compreender melhor que ninguém o protagonista e até se tornando uma candidata a roubar o coração deste antes das mocinhas.

É um pouco difícil colocar em palavras, pois só quem assistiu entenderá o quão inesperado foi a mudança da Rika de personagem secundária para mocinha, até superando a Sena (uma das personagens favoritas da primeira temporada) em popularidade. Foi uma reviravolta inesperada, mas bem vinda, não tive nada a reclamar e diria que mesmo com o final aberto, não ficaria surpreso se ela realmente formasse casal com Kodaka.

De todas as cenas do anime, duas me marcaram:

- No penúltimo episódio, após o clube entrar em risco de ser fechado, a declaração de Sena foi tão inesperada para o mocinho quanto para mim. Alguns minutos antes disso ela estava salvando o clube, voltou a jogar e casualmente se declarou para Kodaka. Foi um dos momentos mais aleatórios e ao mesmo tempo decisivo para o anime, pois foi o que gerou o clímax no último episódio, que justamente é a outra cena que citarei;






- No último episódio, o clube quase presencia seu fim, pois Kodaka se afastou dele, enquanto eu esperava que uma das duas mocinhas faria algo a respeito, quem resolveu repreender o mocinho foi Rika. Nesta cena, que é uma mistura de luta de ficção científica e discussão de "casal", Kodaka e Rika jogam algumas verdades um no outro, até que no final ambos ficam sem forças e entram em um acordo. É uma cena muito legal, apesar de surreal, com Kodaka finalmente mostrando que sua natureza "ignorante" é proposital para evitar o fim do clube.




(Cena citada no minuto 13:14 do vídeo)


Kotonoha no Niwa/Garden of Words

Um filme de Makoto Shinkai. Como todos os seus filmes anteriores, Kotonoha no Niwa é marcado por uma relação distante, monólogos sentimentais e cenas controversas.

Não tenho muito a falar deste filme, ele gira em torno de um casal um pouco improvável de dar certo, um jovem colegial e uma mulher já quase nos 30. Os diálogos são bons, a fotografia é de tirar o fôlego e a atuação dos dubladores não deixa a desejar. Não tive nenhum momento marcante a ressaltar, pois gostei do filme inteiro.

Vale citar que desta vez o elenco escolhido para o casal principal foi mais conhecido (algo que considero raro nos filmes do Shinkai), Irino Miyu  e Hanazawa Kana. Ambos fazem um trabalho fantástico de dublagem, nunca imaginaria que eles seriam capazes de se adaptar ao tom suave de voz exigido pelos personagens desses filmes.

Abrindo um parênteses, ouvi reclamações de alguns amigos sobre o final deste filme, onde o clima calmo e suave deste se transforma em algo explosivo e intenso. Francamente, assim como o odiado final de AnoHana, onde ocorreu algo semelhante, isso não me incomodou nem um pouco, pelo contrário, quando soltamos um grito de desespero para alguém, significa que confiamos nesta pessoa, portanto, o que há de errado com se exaltar e se abrir para alguém especial? Uma coisa que eu sempre observo nos personagens do Shinkai é o quanto eles sofrem em silêncio por segurarem e esconderem seus sentimentos, tudo isso é mais que visível nos monólogos e este foi o único filme em que houve um momento de sinceridade entre o casal, então, reclamações zero de minha parte.


Date a Live




Este anime tem uma ideia muito similar a de "The World Only God Knows", onde o protagonista precisa conquistar certas garotas, porém o protagonista (Shidou) é genérico se comparado com Keima.

Simplificando a história, basicamente é assim. Existem garotas chamadas Spirits, que vem de outra dimensão e quando aparecem na Terra causam spacequakes que destroem tudo ao seu redor. O governo criou a AST, que é um grupo armado feito para combate-las. Outras partes do governo não muito a favor da ação armada contra elas busca impedi-las por outros meios. Ai entra o nosso protagonista, pois ele foi o escolhido para fazer este contato pacífico com elas.




Este anime não parece ter muita coisa boa a oferecer, mas eu diria que Tohka, a primeira personagem que o protagonista conquista, consegue se destacar do anime em si por formar um bom par com o mocinho. Mas tirando isso e a ED "Save My Heart" (que eu citei na Radio do Jeguy Hope #8 (Post aqui)), o anime não possui nada memorável.


Ore no imouto ga konna ni kawaii wake ga nai II




Carinhosamente apelidado de Oreimo II, também conhecido como "anime da irmãzinha otaku". A segunda temporada manteve o clima divertido da primeira e conseguiu redimir a "mocinha chata", mostrando melhor os verdadeiros sentimentos dela e a tornando uma personagem mais sincera. Tudo o que eu senti falta no anime durante a primeira temporada, a segunda consertou. Kirino foi uma irmã mais grata e o passado misterioso das outras personagens foi revelado.

A controvérsia foi o final (ONA), pois este seguiu um rumo que todos já esperavam mas não concordavam. Mas isso não me incomodou muito, não preciso palpitar sobre a vida íntima de personagens 2D, o que achei estranho foi a mudança total deste rumo nos minutos finais do último episódio, algo simplesmente anticlimático e repentino. Eu entendi que era o único jeito de evitar revolta de quem preza os valores morais, vulgo quase todo mundo, mas ainda assim ficou difícil engolir.




Houveram vários momentos marcantes, como a declaração da Kuroneko e da Ayase também, mas um que eu realmente não esperava aconteceu no episódio 9, e quem protagonizou este foi justamente a Kirino. Quem viu como a Kirino era ingrata e rude com o irmão mais velho, que tanto se esforçava por ela, deve ter se surpreendido com ela sendo uma boa irmã nesta cena e continuando assim até o fim do anime.


Kimi no Iru Machi




Eu odeio este anime, não o mencionem em minha presença, por favor.

Se alguém me perguntar a razão, a resposta é simples, eu tinha esperanças por ele (conheço o mangá), achei que consertariam o maior erro do original alterando o final ou omitindo a parte "ruim" (que eu odiei). No entanto, o que eu recebi foi além de uma mera decepção, foi desgosto mesmo. Teve uma cena que me marcou NEGATIVAMENTE, que foi justamente a cena do lago durante o penúltimo episódio.

Descrevendo-a, Haruto viajou para sua terra natal e ficou ligeiramente distante da namorada, Asuka. Em sua viagem, Haruto reencontrou sua ex-namorada, Yuzuki. A cena do lago é basicamente Yuzuki afirmando que seria o certo os dois não se verem mais, e o que ele faz? A abraça e diz para ela ficar ao lado dele. Logo em seguida, sua namorada lhe faz um telefonema e ele mente para ela, afirmando ter ficado em casa o tempo todo.



(Assistir no tempo 10:07 até 13:30)


 Não vejo nada de errado em ser sincero com os sentimentos, mas isso foi, sem discussão, infidelidade. E o que piorou a situação, foi a maneira como o anime colocou isso, a trilha sonora desta cena é bonitinha, querendo dizer que é bonitinho ver o casal original junto novamente, mas não acho possível pensar e nem sentir isso. Não tem como pensar que a infidelidade é "bonitinha", não tem, é impossível. Para mim, esta cena foi a coisa mais errada que eu vi no ano, este foi o único anime que odiei no ano e nunca mais assistirei na vida.


The World Only God knows - Megami-hen




Terceira temporada da divertida saga do nerd, otaku, etc galanteador Keima. Enquanto nas temporadas anteriores, ele precisava conquistar o amor de moças para evitar perder a cabeça, em Megami-hen ele fez para salvar a vida das "conquistas antigas" (aspas, pois chamar moças de conquistas é rude). Em outras palavras, Keima tomou a iniciativa de se envolver com o mundo real por iniciativa própria, o que é uma reviravolta de outro mundo para quem conhece o personagem.




Megami-hen traz de volta antigas heroínas como mocinhas. Isso pode parecer falta de ideias, mas inovaram muito com a introdução de "vilões" ao enredo e tornando o ritmo dos episódios mais dinâmico, sem contar que a interação entre Keima e elas foi algo impagável. E se isso não for o bastante, o final foi brilhante, momento de glória de uma das mocinhas Chihiro, um momento delicado e triste, porém belo. Sem dúvidas imperdível.




Eu já considerava o anime muito bom antes de ver Megami-hen, mas nunca me empolguei desta forma, houveram diversas cenas que me deixaram boquiaberto. Começando pela declaração inesperada de Kanon no primeiro episódio, ver ela correndo para os braços do Keima sentindo que somente ele pode salva-la agora e logo em seguida afirmando que o ama foi impagável.


Golden Time

Estou ciente  que o anime ainda não acabou, mesmo assim tenho uma ou duas coisas para falar a respeito.

Considerando que a obra original foi escrita pelo mesmo autor de Toradora, eu já fiquei com altas expectativas com relação a Golden Time, no entanto, o resultado até então foi uma grande superação de minhas expectativas. Golden Time, diferente de Toradora, possui o cenário universitário, e assim como seu "irmão mais velho" (Toradora) possui uma história focando um grande polígono amoroso.

O princípio dos dois animes é o mesmo, fulano supostamente gosta de alguém, pede ajuda para ciclano e no fim acaba se apaixonando por ciclano. Apesar de ter personagens menos chamativos que Toradora, Golden Time o supera em quase todos os outros quesitos. O desenvolvimento dos sentimentos dos personagens e a reviravolta do anime foram feitos de maneira muito mais objetiva, dando tempo para que o namoro do casal principal fosse aprofundado, algo que é um ponto extremamente positivo para mim. Se animes de romance costumam enrolar muito para que a relação ande, Golden Time consegue ser mais direto sem perder a sensibilidade do gênero e ainda ir além.





(peço minhas mais sinceras desculpas, mas só achei legendado em espanhol)


Até o momento, o sexto episódio como um todo foi o que mais me marcou. Neste episódio vimos que o protagonista não é tão "passivo" a mulher amada, coisas sobre o passado dele foram reveladas e o final foi chocante. O que mais me impressionou é que, ao contrário de muitos outros animes (estou olhando para você Lovely Complex) onde sempre ocorre um momento anti-climático após a cena chocante, Golden Time não fez isso uma única vez, tudo o que foi dito e feito foi até o fim.


Favorito do ano:


Yahari ore no Seishun Love Come wa Machigatteiru




Quem leu minha resenha deste anime, cujo apelido é Oregairu, deve ter notado o quanto gostei dele. Não só foi o romance mais diferente, como também o que mais me fez refletir. Oregairu vai muito além de outras comédias românticas em uma escala que nunca vi. Se em Oreshura (primeiro anime desta lista) o protagonista odiava amor, em Oregairu o mocinho não considera isso algo real e faz uso de argumentos válidos para isso.

Não vou negar, Hikihaya Hachiman, protagonista de oregairu, é o meu personagem favorito neste ano, não só meu, como do Jeguy-Hope também. Seu tom seco de falar, indiferença as coisas juvenis comuns, olhar de peixe morto e compreensão de relacionamentos humanos o faz um dos personagens mais geniais que já vi. O anime começa apresentando-o como alguém incorreto, por ser um sujeito anti-social, mas a medida que ele vai explicando o quanto considera as relações sociais falsas, fica inevitável concordar com ele, pois os seus argumentos realmente fazem sentido.

Mas não é somente seu lado seco que o marca. No fundo, Hikigaya é uma boa pessoa, todos os arcos do anime em que ele era encarregado de ajudar alguém, ele o fazia com todas as forças, mesmo que para isso ele precisasse ser o vilão da história e ser odiado por todos. É vendo essa atitude que vemos o que é realmente querer ajudar alguém, que seria fazer algo sem aguardar algum retorno ou gratidão.





Um momento do anime que me marcou profundamente, tanto pelo contexto, quanto pela execução (música, roteiro, cenário, etc) foi um dos monólogos de Hikigaya, monólogo que diz respeito a uma das mocinhas (Yui) :

- O  monólogo "eu odeio garotas gentis", pode parecer um título bobo, no entanto é a parte do anime que mais me fez refletir, não somente sobre garotas gentis, mas também a gentileza como um todo. O contexto da cena é meio complicado, mas simplificando: Yui, uma das mocinhas, se aproximou de Hikigaya no início do anime e eles se tornaram "amigos". No episódio em questão, Hikigaya percebe ela só fez isso por se sentir culpada por algo que ocorreu com ele no primeiro dia de aula. Sabendo disso, ele disse a ela "Se está sendo gentil comigo por estar preocupada, então pare já com isso!". E foi assim que eles se afastaram por um tempo. A cena encerra o quinto episódio do anime, seguido da versão lenta da ED cantada por Toyama Nao (dubladora de Yugahama Yui).




Hikigaya, devido a suas experiências passadas sendo enganado e destratado, provavelmente desconsiderou a possibilidade de Yui realmente gostar dele, que é o caso, no entanto, a reflexão foi extremamente válida. Ser gentil por vezes significa ser bom mesmo quando não queremos ser (o famoso "ser educado"), por isso considerar a "gentileza" uma "mentira" é um bom argumento.

Fora esta cena, todo episódio do anime possui alguma reflexão interessante que vale lembrar, eu poderia ficar horas falando disso, mas preciso parar por aqui, antes que o texto fique mais cansativo.


Conclusão

 Espero que eu tenha conseguido me expressar bem. Não assisti tantos animes como um todo quanto gostaria, espero que ano que vem seja um ano melhor para mim. Semana que vem, se der tudo certo, trarei a segunda parte da recapitulação com os animes de gêneros diversos que assisti, espero que gostem.

Um feliz ano novo para todos.



Ao Tabibito: Sinto muito não conseguir colocar os vídeos de maneira centralizada, não consigo editar direito o HTML.

4 comentários:

  1. 5;) Kico7!


    OS AVÓS TENDO NOVA CHANCE na criação de outras criaturinhas,outras relações em Clannad(?)
    POR CERTO,UM ESPECTADOR DE romance em animes,(ainda) repara nos detalhes da língua falada e não.Também noto a castidade de namoros asiáticos e modo menos comercial(pra hollywoodianos) como isso se mostrara,expressões 'clichés' e utilizações,e a construção para "edificar ou explodir com o relacionamento amoroso".Enfim,de forma análoga a outros gêneros que consuma,tem-se características culturais-e outras não vistas tão endemicamente- por essas mídias.

    Começando com os animes de romance:
    Ore...:
    OS MOCINHOS SEMPRE SÃO os que mais penam,na disputa angustiante pelo corpinho do principal(Ironia) com mucha sabotagem,2 caras e armas de chantagem sentimental etc.No caso,a ficção meio que se vinga pelos amigos que amarguram o lugar cativo da Friend Zone,sendo as opções crescem pro harém.Daí,há de se correr mesmo pela rua quando feliz(^^) ou de não suportar se esconder,como nos 2 exemplos.
    Boku...:
    "CLUBE DA VIZINHANÇA" não é 1/2 anos 80-90?Ou ainda no datamento,Rika em acordo com a tradição não estaria fadada àquela que não é escolhida?Porque a compreensão do amado é mais coisa de "amiga",não vive,só observa.De jeito que as desavenças entre casais sejam reaproveitadas... Porém como bem percebeu na declaração random de Sena,surpreender também importa(Ou dizem).Assim como se despir emocionalmente,nem que seja na briga que exaltou.Obs: "Surreal" é a cena e o Dailymotion alterar qualidade por si só.
    Kotonoha...
    0-media-cdn.foolz.us/ffuuka/board/a/image/1370/74/1370747457535.jpg ,né?Falou bem do conjunto da obra,bem porém sem exaltações,até onde vi.O que não confere com o fim de Ano Hana e esse filme,o choro e o desabafo,talvez o conjunto de ambos. ^_^
    Date...
    EU 1/2 QUE ME LEMBRO DE como eram vistosas as destruições no trailer e do pedido pra "salvar o coração",ED.
    Ore...
    O anime tem apelido carinhoso;contudo a irmãzinha não seria "Miss Simpatia".Fazer o quê se eles queriam tocar o dedo nas feridas a princípio: 2 tipos de perversões,diriam.
    Kimi...
    YASUHIRO YOSHIURA{animenewsnetwork.com/encyclopedia/people.php?id=53927} é daqueles que mexem no enredo?Tua "segunda chance" ao Haruto,eles não "deram a mínima",foi mais sincero aos seus desejos do que à pessoas(cujas preferiram se iludir..?)... ¬¬
    The...
    POIS É;SÃO ELAS DE NOVO.Aos olhos dos otakus,a atitude amorosa dela e fazer o anime com "cara de novo",pode ter sido libertador etc.
    Golden...
    NÃO LEMBRO,PORÉM DA FORMA como se dirige a ele,Toradora seria a obra de maior expressão de Takemiya Yuyuko?Um amor mais mirim do que ser "atropelado pelo amor(Desconsidere se o trocadilho for infame )".

    Favorito do ano:
    Yahari...
    DEBOCHADO,ESSE CARA(:p).Já pode ter sua tese de sociologia-filosofia pronta,no entanto tem que ter cuidado pra não roubarem suas ideias depois de o chamarem de um GRANDE PDP!
    E vi que é seu predileto(#Corre),uma resposta à hipocrisia e à gentileza (que gera gentileza,"troca de favores"??).

    AO POST:
    Tange-se positivamente a seleção e indicação dos momentos em vídeo(Esqueceu-se na 1ª designação de "Boku wa..."?),bem como a estrutura explicativa baseada na sequência "Comédia, Romance, Drama".Mas por que achou que ia 'implicar' com a simetria dos vídeos?Questiono apenas a 'condizência' com a proposta clara ou não,ou assim acho...
    NOUTROS TEMPOS ME PEGUEI PENSANDO: "- É possível estar sensível sem estar vulnerável?"Personagens e personas me dizem que SIM,e que NÃO.Cá há a amostragem disso e daquilo.Foi um seu "MUITO BOM!",todavia discernir teus avanços lhe ofertaria mais paz de espírito nesse ano e nos vindouros... =-) Agora se inspire e releia o comentário acompanhado de "youtube.com/watch?v=eZOb01HQC7k&hd=1" !! E depois com 'letras.com.br/#!/glee/dont-dream-its-over/traducao-portugues',se quiser.


    See you at next time!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tabibito, tentarei responder as perguntas da melhor maneira possível.

      A imagem que escolhi como capa do post foi uma que ilustra o destino "ideal" de Clannad, uma cena que nunca ocorreu no anime, mas que todos gostariamos que tivesse... quis passar a imagem de uma família feliz para simbolizar a união que o natal e ano novo passam para todos nós.

      Yahari foi o favorito do ano, considero um anime com certas contradições e com "esperanças" de um futuro mais feliz para o mocinho (mesmo que isso não seja seu objetivo). Hikigaya expressa que a "gentileza" realmente seja uma troca de favores, o que eu considero válido, mas errôneo naquela situação em especial.


      Sobre Haganai, realmente a "compreensão" fica mais por parte de amiga, e com certeza o fato da Rika ser uma personagem secundária tira toda a chance de Kodaka a escolher no futuro, no entanto, eu diria que todo casal precisa se compreender e serem "amigos" antes de tudo (não acredito muito no negócio de "evitar friendzone", afinal, precisamos conhecer a pessoa antes de termos certeza se queremos ficar com ela ou não).

      Sobre a pergunta de Toradora, não diria que é a de maior expressão, mas a mais popular. Precisei cita-la pois ela possui fortes semelhanças tanto no elenco de atores quanto nas características dos personagens.

      grato pelo comentário, espero que dê tudo certo neste ano de 2014

      Excluir
  2. Kirito muito obrigado. Estamos ausentes no momento pois os três membros estamos num período complicado da faculdade, mas em breve tentaremos retornar a redigir alguns textos.

    Grato

    ResponderExcluir